terça-feira, 2 de dezembro de 2014

A guerra ao tabagismo e a nova Lei Antifumo



Quando cursava Design Gráfico, na ETEC de Carapicuíba, assisti a um filme sobre publicidade chamado "Obrigado por fumar" (Thank You for Smoking, 2006). Apesar de ser ficção, retrata o começo da guerra entre o governo norte-americano e a indústria tabagista quanto à prejudicialidade do cigarro e a necessidade de se aplicar avisos nos maços, ainda na década de 60.

Um dos primeiros episódios da série Mad Men (se não o primeiro), que retrata o ambiente de uma agência de publicidade na década de 60, também mostra essa discussão, quando o personagem principal, Don Drapper, precisa desenvolver uma campanha publicitária que suprima as ações anti-tabagistas do Estado.

A indústria tabagista é tão forte (nos círculos econômico e político) que, mesmo com tanto debate e conclusões sobre os males de seu produto, ainda exite um número alto de consumidores. De acordo com o estudo Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) do Ministério da Saúde, 11,3% da população brasileira é fumante. Ainda segundo o Ministério da Saúde, 200 mil pessoas morrem anualmente em função do tabagismo.

O governo brasileiro, assim como diversos países, tem adotado medidas para diminuir o consumo de cigarros, como a alta taxação do produto (no Brasil os tributos representam 65% do valor) e a aplicação de sobrepreço (desde 2012 o governo determinou o valor mínimo de R$ 3,00 para venda de maços com 20 unidades, com aumento de R$ 0,50 ao ano, até chegar aos R$ 4,50 em 2015). Agora, um novo passo na guerra contra o tabaco.

Inspirada na Lei Antifumo paulista, implantada em 2009, a partir de 03 de dezembro de 2014 (quinta-feira) entra em vigor a Lei Antifumo Nacional, que proíbe o consumo de cigarros em ambientes fechados total ou parcialmente de uso comum em todo território nacional. A partir de amanhã, será possível fumar apenas em casa ou na rua. Isso já acontecia em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, por causa de leis estaduais, mas agora passa a valer em todo o pais. A lei é de 2011, mas faltava regulamentação.

Estes mecanismos são reconhecidos pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como referência no controle do tabagismo, mas a indústria não fica para trás e adota medidas para suprimir as dificuldades impostas pelo governo federal.  Neste link, uma reportagem muito interessante (pra variar, da BBC Brasil) sobre as estratégias das marcas para atingir seu públicos a partir do design de embalagens e o que os governos de alguns países estão fazendo para anular tais ações.

Pra quem se interessa por marketing e design vale a pena!